O maior Portal de Franquias do Brasil!
Home » Todos Conteúdos » Para Empreender » Tipos de sócios: entenda quais são eles e qual ter na franquia

Tipos de sócios: entenda quais são eles e qual ter na franquia

Sumário

Existem alguns tipos de sócios e pode ser mais atrativo para determinada situação para você abrir uma empresa tendo um parceiro. Neste conteúdo, explicamos um pouco sobre cada um deles para que você entenda e veja qual o tipo melhor se enquadra às suas necessidades.

Segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF), existem mais de 2.8 mil marcas de franquias. Logo, são diversas opções para investir e quem sabe ter um sócio para ajudar de alguma forma.

Nesse sentido, pode ser uma maneira de ter o dinheiro suficiente para começar a franquia ou então para auxiliar na administração. Para isso, o empreendedor encontra diversos tipos de sócios para escolher.

Porém, é necessário que você analise bem a sua situação para ver se precisa de um sócio e como se dará esta parceria. Quer saber quais algumas destas opções? Veja aqui!

Entenda os tipos de sócios que existem

Conforme dito, são variados tipos de sócios para quem vai empreender. Dessa forma, existem maneiras de ter um parceiro para iniciar uma empresa ou manter o negócio em funcionamento.

Cada sócio permite uma facilidade para a empresa e para o empresário, mas irá variar de acordo com o objetivo no caso. Por isso, é importante conhecer suas opções para selecionar aquela que melhor se encaixa nas suas necessidades.

Enfim, baseado no que cada sócio pode oferecer, é possível detectar aquela forma que melhor se adapta à situação para ter um negócio sólido. Assim, separamos alguns destes tipos societários para você conhecer.

Proprietário

O sócio proprietário é o empreendedor que criou a empresa e, por esse motivo, é o proprietário do negócio. Além de tomar conta do negócio como um todo, o empreendedor precisa saber delegar tarefas para conseguir focar nos detalhes mais importantes.

Nesse caso, o sócio proprietário da franquia é aquele que iniciou a unidade junto com outra pessoa. Ou seja, a empresa é de ambos os empreendedores.

Além disso, é possível que tenha dois ou mais sócios, mas isso pode ser um pouco confuso e dificultar a administração do negócio. Principalmente para quem está começando, a maneira de gerenciar precisa ser a mais simples possível.

Para escolher este sócio proprietário é importante que seja alguém com o qual tenha alguma ligação e que os perfis possam se complementar. Pode ser uma pessoa mais comunicativa e outra mais centrada nos detalhes, por exemplo.

Estes sócios podem atuar em departamentos diferentes, mais adequados às suas qualidades ou facilidades. Isso pode tornar o trabalho mais eficiente.

No modelo de franquias, esses sócios devem constar no contrato feito junto à franqueadora, para que possam ser responsáveis pela unidades. Assim, também devem passar pelos treinamentos que a franqueadora oferece.

Por fim, no modelo de franquia existe esta peculiaridade para que se tenha um sócio na maioria das redes que atuam neste formato.

Administrador

O sócio-administrador é o responsável por desempenhar todas as funções administrativas da empresa. Logo, é quem conduz o dia a dia do negócio, assinando documentos, respondendo legalmente pela sociedade, realizando empréstimos e outras ações gerenciais.

Embora esteja nessa linha de frente da empresa, é denominado sócio por também ter sua parcela de participação no Capital Social.

A remuneração deste tipo de sócio é o que chamamos de pró-labore, que é um pagamento referente ao seu envolvimento na empresa e que implica em recolhimento do INSS.

Nesse sentido, os sócios administradores são um tipo que se encaixa bem em uma franquia na qual o dono não possa estar presente boa parte do tempo. Porém, é importante que seja alguém de confiança e que você saiba que está apto para o cargo.

Dessa forma, optar por ter um sócio administrador é uma escolha que demanda uma boa análise para ver se é o melhor caminho para começar sua franquia.

Cotista

Sócio cotista não tem qualquer envolvimento com o desenvolvimento diário das atividades desempenhadas pela empresa. Esse é o sócio por ter contribuído para a composição do capital social.

Por exemplo, o empreendedor que não tem todo o capital para investir em uma franquia. Então, abre a possibilidade que outras pessoas possam pagar para ter uma parte do negócio.

No modelo de franquias estes tipos de sócios são chamados de sócio-investidor. Isso porque, não participam da administração do negócio, entrando apenas com o capital. Logo, deve existir um sócio-operador.

Esse sócio pode ser pré-selecionado pelo investidor ou até sugerido pela franqueadora. Pode ocorrer dele entrar no início da unidade ou então quando a franquia já está mais madura e rentável.

Em outras palavras, é uma maneira de captar investimento, mas é preciso levar em conta também que haverá distribuição também dos lucros.

Investidor-anjo é sócio de um negócio?

O investidor-anjo pode ser definido como toda pessoa física ou jurídica que tenha interesse em investir parte de seu patrimônio em prol de empresas nascentes. Porém, não é um sócio do negócio.

Nesse sentido, investe em negócios  que apresentam um grande potencial de crescimento e retorno financeiro. Geralmente são pessoas com experiência de mercado que também contribuem tecnicamente com o desenvolvimento do negócio.

O investidor-anjo não é considerado sócio, nem tem direito à gerência ou voto na sociedade. Mas é remunerado conforme seus aportes.

Sendo assim, é possível ter um investidor-anjo para começar uma franquia, mas o empreendedor interessado precisa captar este investidor mostrando como a marca é uma boa oportunidade.

Do mesmo modo, pode ser bem interessante buscar alguém que conheça o mercado e possa contribuir para o crescimento do negócio compartilhando conhecimento, redes de relacionamento e o capital.

Ainda assim, este processo exige cuidado do empreendedor, não é qualquer investidor que pode lhe trazer benefícios. Não se vislumbre com alguém que vá oferecer um bom capital e nada mais do que isso.

Dessa forma, avalie também se é o melhor caminho, pois dependendo, pode ser que um empréstimo possa ser mais seguro. Por último, se o seu capital não for suficiente para uma franquia e não conseguir um investidor-anjo, busque marcas mais baratas que também tenham potencial.

Franquia precisa de sócio?

Uma franquia não precisa de sócio, pois como falado, vai depender muito do objetivo e necessidade do empreendedor ter algum tipo de parceiro.

Por exemplo, se o empreendedor não tem tanto capital, pode optar por uma franquia barata. Existem inúmeras opções de negócios bem enxutos no mercado de franchising.

Do mesmo modo, se lhe faltar tempo para dedicar ao negócio pode buscar modelos Home Office de franquias ou então Home Based. Esses formatos contam com oportunidades para empreender em um horário flexível.

Dessa forma, a franquia pode se ajustar à sua rotina e assim você vai trabalhar no tempo que puder, evitando a necessidade de um sócio.

Por outro lado, para franquias maiores, com necessidade de grandes investimentos, a figura de um sócio pode ser necessária. Porém, é fundamental avaliar bem esta necessidade e buscar um dos tipos de sócios que mais atende à sua demanda.

Por último, para ter uma franquia não é preciso um sócio, mas se for seguir em frente, busque o que possa trazer mais qualidade e segurança para o seu negócio. Mas quais tipos de sócios? Veja agora como escolher.

Qual o melhor sócio para ter na franquia?

O melhor sócio para ter na franquia é aquele que atende às necessidades do momento. Se o empreendedor não tem o capital necessário, pode ser um sócio-cotista. Por outro lado, se falta tempo ou experiência de gestão, o sócio administrador pode atender melhor.

Nesse sentido, avalie bem o que deseja, se está preparado para ter um parceiro neste projeto. Se for um sócio proprietário, é ainda essencial que tenha certa sinergia com este companheiro de jornada.

Além disso, tudo deve ser feito por meio de contratos para que todas as partes saibam de seus direitos e deveres e isso esteja claro.

Dessa forma, seja como for os tipos de sócios, o empreendimento estará seguro para que possa continuar rumo ao alto faturamento.

Esse é, inclusive, um dos pontos abordados no curso Guia Para Iniciantes. São aulas que você pode acessar clicando aqui, assistir online e entender em detalhes como investir em uma franquia. Sem prejuízo e sem o risco de escolher uma marca ruim.

Passos para abrir uma franquia

O primeiro passo para abrir uma franquia é avaliar que mercado mais lhe atrai e que tipo de negócio melhor combina com o seu perfil.

Depois disso, pesquise as franquias que se encaixam no que você deseja e entre em contato com elas para saber mais detalhes sobre o negócio. Muitas têm um contato bem eficiente por meio de seus sites.

A franqueadora pode apresentar a Circular de Oferta de Franquia (COF) para que você conheça mais sobre o negócio. Avalie a COF de algumas marcas, compare e veja qual é a melhor para você.

Depois de escolher, irá passar por treinamentos para aprender sobre a operação da franquia. Dependendo do tipo de negócio, tem a etapa de escolha do ponto comercial para a nova loja.

Após as reformas necessárias em caso de uma franquia de ponto físico, ou após finalizar os treinamentos e questões burocráticas, chegou a hora de inaugurar. Em outras palavras, é um processo que pode ser mais simples ou complexo, dependendo da franquia.

Qual a melhor franquia para abrir?

A melhor franquia para investir é aquela que atua com algo que você goste ou tenha afinidade e que se encaixe no seu perfil. Assim, dependendo de suas qualidades, uma ou outra franquia pode ser sua melhor opção.

Dessa forma, observe como suas características podem ser aproveitadas em uma franquia. Pense que dedicar horas a algo que gosta é melhor e mais prazeroso.

Do mesmo modo, pesquise sobre as franquias que mais chamaram sua atenção. Busque marcas que tenham reconhecimento e que ofereçam produtos ou serviços de qualidade diferenciada.

Além disso, avalie se a franqueadora disponibiliza os suportes que promete. Nessa hora pode ser interessante conversar com franqueados e ex-franqueados da marca.

Outro ponto importante é avaliar o seu mercado local. Veja quais as lacunas, que tipos de negócios têm maior potencial de sucesso naquele local.

São muitos fatores que influenciam na hora da escolha da franquia, seja a marca renomada ou uma oportunidade para oferecer algo novo no seu mercado local. Então, avalie tudo com calma para escolher a melhor opção.

Enfim, após ver quais os tipos de sócios podem ter em uma franquia, cabe a você analisar se optar por um parceiro neste negócio é necessário e viável para seus objetivos.

Acompanhe o mercado
A mais lidas hoje