NotíciasFranchising

Empreendedorismo Sênior no franchising

Empreendedorismo Senior está em alta no Brasil e no mundo

“Você só consegue ter uma longevidade saudável se for produtiva”. É com base nessa máxima, de viver mais e com o cérebro ativo, que o médico, neurocientista e treinador comportamental Dr. Jô Furlan lançou o programa Empreendedorismo Sênior, que começou em parceria com a Oficina UniversIDADE, da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), e começa a ganhar território e novos canais. O projeto foi desenvolvido desde 2016 pelo especialista em comportamento humano após observar que mais de 50% das empresas abertas no estado de São Paulo pertenciam a pessoas com mais de 50 anos.

Dados mais recentes, da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) e divulgados pelo Sebrae, mostram que, em 2016, a faixa etária de 55 a 64 anos representava 29,6% do total de empreendedores no Brasil. Um ano depois, eles já eram 32,3%. Outros levantamentos apontam que, em média, o brasileiro se aposenta aos 59 anos de idade, uma das menores médias de idade para se aposentar do mundo.

Embora Furlan esteja exatamente com 50 anos, o programa não se destina a pessoas como ele, já que empreende há, pelo menos, 30 anos. “Formatamos o Empreendedorismo Sênior para orientar aqueles os quais chamo de VES (Vividos, Experientes Sábios). Falamos com quem já trabalhou como empregado durante boa parte da vida e está disponível no mercado, aposentado ou não, e que deseja aplicar seu conhecimento em algo próprio. Para eles, potencializamos suas capacidades conquistadas ao longo do tempo e buscamos eliminar características que podem atrapalhar no processo de empreender”, conta.

Superar medos e combater eventuais resistências ao aprendizado, especialmente quando relacionado a novas tecnologias, são os principais desafios de quem empreende após os 50 anos.

Franchising proporciona menor risco

De acordo com Paulo Sérgio Souza, de 58 anos, amigo e sócio de Furlan no programa Empreendedorismo Sênior, a ideia não é criar milionários – eventualmente, isso pode acontecer –, mas fazer com que cinquentões, sessentões, setentões ou até mais experientes possam criar negócios que estejam de acordo com seus valores e propósito de vida. “Queremos ensinar a empreender sem colocar em risco o patrimônio adquirido ao longo da vida. Vamos ajudar a sair da inércia, reconhecendo que a tecnologia veio para mudar o mundo e querendo fazer parte deste novo mundo. Não é questão de dinheiro, mas de cérebro”, diz. Por isso, eles acreditam que apostar em franquias é uma das alternativas mais viáveis, já que o propósito do franchising é replicar modelos de negócios que já foram testados e proporcionar um suporte para a operação. “Uma pesquisa divulgada pelo Sebrae endossa isso. De acordo com a entidade, 70% das pessoas que pensam em abrir um negócio após completarem o tempo necessário de contribuição ou plano previdenciário veem nas franquias a saída para manter ou melhorar o poder aquisitivo”, diz.

Atualmente, com as chamadas microfranquias – e até nanofranquias (investimento até R$ 20 mil) – possibilitam que empreendedores tenham um retorno financeiro em pouco tempo e consigam gerar um rendimento extremamente interessante a quem dependeria apenas do valor da aposentaria.

Vantagens do franchising

  • Modelo de negócios estabelecido, testado e sólido
  • Força da marca e marketing sempre ativo
  • Segurança e solidez da marca
  • Características do empreendimento já pré-estabelecidas
  • Sistemas de gestão já adaptados ao modelo de negócio
  • Suporte em marketing, gestão, cobrança, financeiro etc.
  • Auxílio na definição territorial e escolha do ponto
  • Estudo de mercado pronto

Vantagens do empreendedor sênior

  • Experiência profissional
  • Maior foco
  • Menos vaidade nas relações interpessoais
  • Maior rede de contatos
  • Patrimônio adquirido
  • Despesas pessoais mais baixas
  • Maior tempo livre para criar
  • Menos dúvidas sobre atividades que trazem bem-estar

Desafios do empreendedor sênior no sistema de franquia

  • Adaptação às novas tecnologias
  • Resistência a adquirir novos conhecimentos
  • Vícios obtidos na vida como empregado
  • Medo de perder patrimônio
  • Certezas e convicções
  • Cultura de trabalho antiga
  • Compreensão de que a dedicação influencia diretamente no resultado da empresa

Por que franquias de sucesso no Brasil não emplacam no exterior?

Artigo anterior

Um overview do “novo” McDonald’s

Próximo Artigo

Comentários

Comentários não permitidos.